Top

Panoramas dos Himalaias

Datas
Nomes*
Apelido*
Morada completa
Código Postal / CEP*
Idade
Profissão
Telemóvel
Email*
Escolha uma opção*
Nº de adultos (+ nº de crianças)*
Caso viaje com amigos por favor indique com quem irá partilhar o alojamento:
Como conheceu o Rotas do Vento?
Subscreva a newsletter:*
Comentários:
Guardar nos favoritos

Adding item to wishlist requires an account

155
10 Reviews
Sort By:RatingData

Zoraya Barros, Recife

Solo Traveller

Vocês estão de parabéns na organização do evento, do inicio ao fim. Os dias livres após o trekking foram fundamentais. Particularmente, parabenizo a escolha dos guias locais e em especial a equipe que nos conduziu no trekking. O guia e os carregadores simplesmente foram muito bons.

Março 1, 2019

Juan P, Aveiro

Solo Traveller

Quanto a peripécias, como devem calcular houve imensas, no entanto houve uma que me deslumbrou.
Chegando ao resort, a Chitwan, o “manager” do mesmo, devido à minha hora de chegada, cerca das 17h, disse-me para aguardar que ia verificar se eu ainda podia fazer alguma coisa nesse dia. Passados uns minutos, veio dizer-me que podia ir ter com um tratador de elefantes para dar uma pequena volta na floresta. Deste modo, e já lusco-fusco, partimos de elefante para a floresta. Ao fim de poucos minutos começámos logo a ver muitos antílopes e, de súbito, o tratador do elefante fica estático e a chamar-me a atenção para algo que eu não consegui ver de imediato, mas que quando vi, fiquei maravilhado: uma mãe ursa com duas crias!
Simplesmente espectacular e algo bastante raro de acontecer, segundo os tratadores e os guardas do parque. Estavam bastantes pessoas no resort e todas elas tinham visto muitos animais, mas o grande troféu tinha-me sido oferecido numa pequena volta de elefante ao final da tarde.
Inesquecível!

Março 1, 2019

Paula S, Lisboa

Solo Traveller

O percurso do trekking foi sem dúvida lindíssimo, mas já o rafting foi penalizado por o percurso do rio acompanhar uma das principais estradas do país. E como no Nepal não há condução sem buzina…
A única excepção foram mesmo as montanhas, que tenho a sensação de ter visto mas não ter vivido/usufruido.
Trajectos mais curtos, com menos declive ou apenas um dia em que ficassemos mais tempo no mesmo local poderiam ter ajudado. Ah, e ainda era cedo para os rododendros…
Na minha opinião, o declive do percurso pedestre tornou-o mais difícil do que eu estaria à espera, mas admito que o facto de ter torcido um pé no início do 2.º dia de trekking não tenha ajudado muito.
O guia foi extremamente cortês e atento às necessidades do grupo (5 estrelas), mas, pareceu-me, um pouco inexperiente (por exemplo, embora se tenha esforçado por responder a todas as nossas questões, raramente forneceu informação complementar sobre os lugares e costumes de sua iniciativa).

Março 1, 2019

Catarina M, Póvoa de Sto Adrião

Solo Traveller

Por incrível que pareça, a noite que mais gostei desta estadia foi aquela que reunia menos condições físicas…
Como se não bastasse o facto de se tratar da noite mais fria de todo o percurso, tudo se seguiu a um banho de balde no exterior do lodge!
Jantámos no átrio do lodge, para o qual davam as portas dos quartos humildes e bastante arejados (!), em que iríamos dormir, e em seguida sentámo-nos todos em redor de uma salamandra improvisada a partir de um bidão metálico, juntamente com os carregadores e os residentes da aldeia.
Um grupo de homens jogava cartas e os restantes personagens desta cena olhavam fixamente para um ecrâ de tv onde passava um vídeo que provavelmente já teriam visto mais de cem vezes e no qual os actores trocavam constantemente de roupa, e raramente se conseguiam ver devido aos slogans publicitários que constantemente apareciam e desapareciam do ecrã, nos cantos e mesmo no seu centro!
E ali ficámos horas a fio a trocar vocábulos e emoções gestuais com os nativos calorosos ao som de uma língua totalmente desconhecida que nos era trazida por uma televisão e um vídeo a pouco menos de 3000m de altitude!

Março 1, 2019

Teresa P, Mem Martins

Solo Traveller

Esta viagem teve um sabor muito especial, há muito tempo que ansiava realizar. Até então, ir ao Nepal fazia parte do meu imaginário!
Apesar dos noticiários serem pessimistas quanto aos acontecimentos e das advertências dos familiares e amigos, valeu a pena seguir… o coração!
Ficará para sempre na minha memória os passeios na montanha e, em especial, aquele que foi considerado o pior dia de caminhada, foi longo, debaixo de chuvas torrenciais e trovões, sem dúvida um dos melhores da minha vida.
O Nepal tem dessas coisas, faz-nos ver que as coisas mais simples são as mais belas e a felicidade chega quando nos deixamos embalar pelo presente que nos rodeia.
Tudo ganhou sentido, a vida neste local teve outro sabor, ainda “transporto” comigo os sorrisos e os cantares das crianças e a paz interior, sem jamais esquecer o excelente companheirismo, que ainda continua…para daqui a cinco horas já tenho encontro marcado para mais um jantar (semanal) com os “nepalitos”.

Março 1, 2019
12
Subscreva a Newsletter Rotas do VentoDescubra novas oportunidades de viagem!